8º Psicografia – Felipe Lima Gandolfo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no telegram
Telegram

8º Psicografia – Felipe Lima Gandolfo

(06/01/2003 — 08/02/2008)

5 anos

Mamãe Márcia, e aí, o que você deseja receber de presente do seu filho? Por certo minha volta seria o presente maior, mas aqui estou mãe, obedecendo o que Deus nos permite e que saberemos que a lição que tanto dói é o medicamento que tanto cura.

Confiamos e tratemos nossa saudade como notícia do nosso amor pelo outro.

Felicidades da maneira que posso entregar a você meus abraços… você os receberá agora…

Papai Fabiano, presenteia você e minha irmã Júlia com um sorriso e uma palavra de confiança este anjo que Deus coloca junto a nós para nos proteger. Beijão pai, mãe que meu recado de amor seja o meu presente para ficar para sempre junto ao seu coração de mãe. A notícia em Catanduva foi minha mesmo.

Beijos em todos os nossos.

Felipe Lima Gandolfo.

 

“Filho, a nossa presença em Uberaba como em Catanduva é a busca física da sua presença, mas eu sei que estamos juntos em todos os momentos e em todos os lugares, cada sorriso, abraço, carinho… que a mamãe recebe é você que está me transmitindo…Você, a Júlia e o papai, em dimensões diferentes são o que iluminam minha estrada …e os familiares e amigos são as flores dessa estrada…” (Márcia)

 

MENSAGEM PSICOGRAFADA PELO MÉDIUM CELSO DE ALMEIDA AFONSO, EM REUNIÃO PÚBLICA, NA NOITE DO DIA 06/02/2009, NO CENTRO ESPÍRITA “AURÉLIO AGOSTINHO”, À AV. LUCAS BORGES, 61 – UBERABA – MG.

 

Esclarecimentos:
  • Fabiano e Márcia — Pais;
  • Júlia (Juju) — Irmã.

 

Comentário dos Pais:

Felipe nasceu no dia 06/01/2003 e voltou para a vida espiritual no dia 08/02/2008, uma criança linda, saudável, muito amada e feliz… De uma virose a septicemia, em menos de 24 horas, nosso filho partiu.

Deu-nos inúmeras alegrias e hoje ele vive em outra dimensão, que nos impede de vê-lo, mas não de senti-lo.

Os nossos corações de pais, embora consumidos pela dor da saudade, sabem compreender que Deus nos ama verdadeiramente, e se nos deu uma prova tão difícil, deu-nos também equilíbrio e sensibilidade para direcionarmos a nossa dor rumo à nossa evolução espiritual.

Os ensinamentos da Doutrina Espírita, as preces, a família, as palavras dos amigos, os bons livros que caem em nossas mãos, são dádivas de Deus que nos fortalecem quando a vida nos parece incompreensível.