7º Psicografia – Felipe Lima Gandolfo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no telegram
Telegram

7º Psicografia – Felipe Lima Gandolfo

(06/01/2003 — 08/02/2008)

5 anos

Papai Fabiano, mamãe Márcia, Júlia minha irmã, devo compreender o quanto judia a saudade, principalmente em datas que ficam em nós como um motivo de festa.

Papai Fabiano não é preciso receio quanto a suas lágrimas e sim é preciso receio com a falta do seu sorriso, todos nós precisamos de sua alegria pai. Você perdeu um corpo que podia tocar, abraçar, beijar, um corpo que este filho usou durante o tempo necessário.

Cheguei até vocês com endereço feliz de seus corações, voltei sem me esquecer deste endereço, assim não quero encontrar com dúvidas quanto a minha vida, da maneira que estou.

Recebo no lugar que estou, a noticia do amor que me dedicam o que me faz feliz, mas não me deixe sem o sorriso, com a certeza que não me perderam. Deus não deseja encontrá-los em dor pelo prazer de encontrar com a angústia de quem pensa ter sido roubado, ficado sem a jóia, que soma uma importância que cobre de amor seus corações.

Confiem na minha presença, no meu carinho de filho. Beijos mãe, beijos pai, meu amor de irmão Júlia.

Feliz Natal com Jesus, não somente com nossos desejos, pois o que nos é necessário, não pode nos colocar na condição de mártir do Calvário, que confiemos neste Amigo Maior e que possam nossas vidas estarem ligadas a sua proteção maior.

Beijos a todos!

Felipe Lima Gandolfo.

 

MENSAGEM PSICOGRAFADA PELO MÉDIUM CELSO DE ALMEIDA AFONSO, EM REUNIÃO PÚBLICA, NA NOITE DO DIA 12/12/2008, NO CENTRO ESPÍRITA “AURÉLIO AGOSTINHO”, À AV. LUCAS BORGES, 61 – UBERABA – MG.

Esclarecimentos:
  • Fabiano e Márcia — Pais;
  • Júlia (Juju) — Irmã.

 

Comentário dos Pais:

Felipe nasceu no dia 06/01/2003 e voltou para a vida espiritual no dia 08/02/2008, uma criança linda, saudável, muito amada e feliz… De uma virose a septicemia, em menos de 24 horas, nosso filho partiu.

Deu-nos inúmeras alegrias e hoje ele vive em outra dimensão, que nos impede de vê-lo, mas não de senti-lo.

Os nossos corações de pais, embora consumidos pela dor da saudade, sabem compreender que Deus nos ama verdadeiramente, e se nos deu uma prova tão difícil, deu-nos também equilíbrio e sensibilidade para direcionarmos a nossa dor rumo à nossa evolução espiritual.

Os ensinamentos da Doutrina Espírita, as preces, a família, as palavras dos amigos, os bons livros que caem em nossas mãos, são dádivas de Deus que nos fortalecem quando a vida nos parece incompreensível.