Raimundo Sanches

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no telegram
Telegram

Raimundo Sanches

Meus queridos amigos,

Ainda me parece hoje, quando na minha carroça, eu fui procurando pessoas para fazermos uma coleta para criar esse centro. Nem era centro essa época, procuramos um lugar para fazermos um ranchinho.

Um lugar simples, que fosse nosso, que a igreja não nos poderia mandar tocar. Essa ideia, vinha conosco desde os tempos da espanhola que levava os nossos jovens. Ficávamos velhos a ver o futuro ir embora sufocando.

Foi época dura, pois ate o ano de XX ainda morria muita gente. Mas o futuro e dos vivos, pois os mortos de hoje serão os vivos de amanha.

Um lugar para os cultos, para os estudos nos poucos livros que existiam, com as poucas letras que muitos de nos, eu inclusive tinha. Mas nunca faltou um amigo; um companheiro de ideal para ler para nós outros ir comentar as leituras que abriam a nossa visão e fortificavam os corações.

Na vela, na lamparina de querosene, caminhando pelas trilhas e pelas pinguelas, vindos de além do córrego da manteiga, pros lados da chacra do Jesuíno enfrentando as cobras para subir as ladeiras molhadas do nosso Fabrício. Andando pelas sete minas, vinha gente, de todos os altos, devagarinho, com muito esforço fomos conseguindo.

Ter uma casa de espiritismo, uma réstia de luz, não de doutores, mas de operários, comerciários, sitiantes e cachaceiros, Gente humilde, trabalhadora, ganhando o pão na lida diária, mas sempre pronto a caridade.

Agradeçamos a Deus.

Raimundo Sanches.

 

Mensagem recebida pelo médium Dilson Cunha Borges Jr., na noite do dia 18/06/2021, em reunião pública, no Centro Espírita “Aurélio Agostinho”, à Av. Lucas Borges, 61, em Uberaba – MG, em comemoração aos 101 anos de fundação do Centro Espírita.