1ª PSICOGRAFIA DO FÁBIO MÁRIO HENRY - PORTAL ESPÍRITA E FILOSÓFICO SAUDADE E ADEUS
Saudade e Adeus - Tatiana Madjarof Bussamra - Página Inicial

 

 Saudade e Adeus

 

 

1ª Psicografia do Fábio Mário Henry

 

 
CHICO XAVIER

Família Henry

Fábio, jovem de hábitos simples, prestativo, apegado à família e aos amigos. Quando deixou o convívio do lar, cursava o quarto e último ano de agronomia na Universidade Federal do Mato Grosso.

O prestígio que desfrutava junto à direção da Faculdade, em face do excelente desempenho como aluno, fez com que fosse diplomado.

Filho do Sr. Mário Duílio Evaristo Henry e de D. Hortência Henry, teve mais três irmãos: Dr. Lamberto Mário Henry, médico, casado com a Sra. Maria de Fátima Santana Garcia; Dr. Pedro Henry Neto, médico, casado com a Sra. Miriam Henry; e Ricardo Luiz Henry, solteiro, piloto de avião comercial.

Relatam os pais que o primeiro contato com Chico Xavier foi doze dias após a sua desencarnação. Sem qualquer informação anterior a respeito, Chico lhes disse que naquele momento, duas senhoras, D. Maria da Conceição e D. Rosina; estavam presentes e que haviam socorrido o Fábio no Plano Espiritual. Trata-se da avó materna e bisavó paterna, há muitos anos desencarnadas.

Depois, foram seguidas vezes a Uberaba e em 23 de agosto de 1986, receberam a mensagem que trouxe aos familiares tanto conforto e esperança.

Depoimento

Apesar de sermos espíritas há muitos anos, a desencarnação de Fábio trouxe profundas alterações em nossas vidas.

As visitas a Chico Xavier, os esclarecimentos que nos fazia, a mensagem que nosso filho nos enviou, fizeram com que o vigor na fé se redobrasse, estimulando-nos para o trabalho doutrinário e assistencial, conseqüentemente dando-nos o privilégio de colhermos os frutos, traduzidos por um conforto espiritual muito grande, que nos tem permitido continuar vivendo...

Através da mediunidade de Chico Xavier, inspirada pela Espiritualidade Maior, tem-se a oportunidade de compreender a importância da reencarnação no ajuste dos erros cometidos, em face do livre arbítrio que nos impulsiona para o aprimoramento do espírito, através das vivências reencarnatórias.

Os pais.

1ª Psicografia do Fábio Mário Henry

 Querida Mãezinha Hortência, com o meu papai Mário; recebam os meus votos de paz e felicidade, com as bênçãos de Deus.

Mãezinha Hortência, todas as nossas provações já passaram. Aquele projétil acidental que me arredou da vida física se transformou em bisturi de benemerência, que me devolveu a harmonia e saúde ao coração.

Compareço aqui com o avó Pedro o nosso Pietro – Lembrando que na próxima semana, isto é, na segunda-feira próxima, completaremos doze meses sobre a minha liberação espiritual.

Mãezinha, não se alija pelo pobre irmão que inconscientemente manejou a arma contra o meu corpo, e não se antagonize com o nosso amigo Albano que não nos abandonou ao sabor das circunstâncias, mas precisava se afastar do local onde meu corpo tombou desgovernado. Era natural que ele não ficasse à mercê de novas iras gratuitas.

Havíamos saído da danceteria com a alegria de dois estudantes que se regozijassem com àquelas horas de entretenimento e dialogávamos com a alegria que desejo cultivar novamente à frente dele. Não permita que meus irmãos lhe julguem o comportamento com desacerto, porque o nosso prezado Albano não podia e nem devia permanecer no mesmo lugar que caí para não mais levantar. Não hospede o ressentimento em seu coração.

Mãe, você foi sempre o perdão e o entendimento para nós, os seus filhos. Não se admita ressentida com um amigo que para mim foi sempre um irmão.

Aqui estou ainda com a presença da vovó Rosina que é testemunha de tudo quanto lhe digo. Posso dizer-lhe, com permissão dos nossos Mentores da minha vida nova, que o bisavô Evaristo¹ que atirou sobre o próprio peito, suicidando-se na Itália, sou eu mesmo, que tive o coração aniquilado por um tiro acidental.

E veja, querida Mãezinha, que já conquistamos algum progresso segundo as Leis de Deus. Na posição do chamado “nono Evaristo”; despedacei o meu peito com um projétil, no suicídio, e resgatei minha dívida fora das sombras da autodestruição, porque o tiro não partiu de mim contra mim mesmo, e sim de um irmão desconhecido, que fora das condições normais, já que se mantinha embriagado naquela madrugada de 25 de agosto passado, desfechou um tiro contra mim, sem a intenção de acertar-me.

O suicídio não foi resgatado com um outro suicídio, e, sim, com uma agressão involuntária, em que o próprio agressor ignorava o que fazia.

Tudo passou e estamos a caminho de uma vida melhor.

Agradeço ao irmão Lamberto o carinhoso cuidado de médico humano e competente que ele é, e peço-lhe dizer que o socorro não surgiu tarde, porque, em meu próprio benefício, não haveria medidas de salvação para o meu corpo frustrado.

Nobre Lamberto! Fez tudo para que o irmão revivesse, com alma e coração!

A ele, ao Ricardo e ao Pedro, o meu fraterno abraço com muitas saudades. E esperando, querida mamãe, que você apenas chore de alegria e de agradecimento a Deus, com respeitoso afeto a meu pai Mário, peço-lhe receber o coração conhecido, esmaltado de carinho e saudades, do seu filho, sempre o seu filho do coração.

 

MENSAGEM PSICOGRAFADA PELO MÉDIUM FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER, EM REUNIÃO PÚBLICA, NO DIA 23/08/1986, NO GRUPO ESPÍRITA DA PRECE, EM UBERABA - MG.

Esclarecimentos:

  • Hortência e Mário – Pais;
  • Pedro Henry Avô paterno, nascido em Lucca – Itália, a 02.01.1897. Chamava-se Pietro Henry. Posteriormente naturalizou-se brasileiro com o nome de Pedro Henry. Desencarnou em Santo André – SP, a 23.06.1964;
  • Albano Borges Amigo de Fábio;
  • Rosina Giambastiani Henry Bisavó paterna, nascida em Lucca – Itália a 30.12.1876. Casado com o Engo. Evaristo Henry. Imigrou para o Brasil, cindo a desencarnar em São Bernardo do Campo – SP em 25.01.1950;
  • ¹ Evaristo Henry Bisavô paterno. Nascido em Lucca Itália a 09.02.1871. Engenheiro ferroviário, funcionário do governo italiano, suicidou-se em 08.02.1920 em sua terra natal, onde trabalhava, com um tiro no coração.
 
Fábio Mário Henry
Nasceu no dia 01/06/1961 em Santo André - SP
Desencarnou no dia 25/08/1985 em Cuiabá - MT

Da obra “Assuntos da Vida e da Morte” – Espíritos Diversos.

Psicografia de Francisco Cândido Xavier / Paulo de Tarso Ramacciotti.

 

 

Amigo leitor, se você gostou dessa psicografia, ajude a divulgá-la enviando para os seus amigos do twitter, facebook, orkut etc., pois sabemos que estas mensagens são um grande bálsamo para os corações saudosos de muitas mamães, que também devolveram seus amados filhos ao Plano Espiritual.

 

 

Página Inicial

Retornar Para Psicografias

Próxima

 
 

SIGA NOSSO SITE NO TWITTER

Siga o Saudade e Adeus no Twitter

 
 

 

 
 
 

 A caixa de comentários só poderá ser visualizada corretamente se você estiver usando os navegadores Mozilla Firefox ou Google Chrome.

 

 


Elaborado e Idealizado por Rosana Madjarof - Todos os Direitos Reservados - Política de Privacidade