E DEPOIS? - MOMENTO ESPÍRITA - PORTAL ESPÍRITA E FILOSÓFICO SAUDADE E ADEUS
Saudade e Adeus - Tatiana Madjarof Bussamra - Página Inicial

 

 Saudade e Adeus

 

E Depois?

 

 

 O ser humano é o único dotado de razão, por isso é chamado de racional.

Ser racional é raciocinar com sabedoria, é saber discernir, é pensar, utilizando o bom senso e a lógica antes de qualquer atitude.

Todavia, boa parte de nós não agimos com a sabedoria necessária para evitar problemas e dissabores perfeitamente evitáveis.

Costumeiramente, agimos antes e pensamos depois, tardiamente, quando percebemos que os resultados da nossa ação nos infelicitam.

Paulo, o Apóstolo, que tinha a lucidez da razão, adverte com sabedoria: Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém.

Quis dizer com isso que tudo nos é permitido, mas que a razão nos deve orientar de que nem tudo nos convém.

Do ponto de vista físico, quando comemos ou bebemos algo que nos faz mal, não pensamos no depois, mas o depois é fatal.

Se nosso organismo é frágil a certos tipos de alimento, devemos pensar nas conseqüências antes de ingeri-los, mesmo que a nossa vontade diga o contrário.

Perguntemo-nos: E depois? Como será depois?

Lembremos da gaseificação, do mal estar e de outros distúrbios que advirão.

Se temos vontade de fazer uso de drogas, sejam elas socialmente aceitas ou não, pensemos antes no depois. Será que suportarei corajosamente as enfermidades decorrentes desses vícios? Ou será um preço muito alto por alguns momentos de satisfação?

Quando sentimos vontade de usar o cartão de crédito, pela facilidade que ele oferece, costumamos pensar no depois? Pensar em como vamos pagar a conta?

Quando recebemos o convite das propagandas para o consumo desenfreado, ponderamos racionalmente sobre a necessidade da aquisição, ou compramos antes para constatar, logo mais, que não necessitamos daquele objeto?

No campo da moral não é diferente. Quando surgir a vontade de gozar alguns momentos de prazer, pensemos: E depois?

Quais serão as conseqüências desse ato que desejo realizar? Será que as suportarei corajosamente, sem reclamar de Deus, nem jogar a responsabilidade sobre os outros?

Certo dia, conversando com um fiscal aposentado, ouvimo-lo falar a respeito do vazio que sentia na intimidade e da consciência marcada pelos atos inconseqüentes que praticara durante a vida.

Buscou, na atividade profissional, tirar proveito de todas as situações. Arranjava tudo com algum jeitinho e muita propina, mas nunca havia pensado no depois.

E o depois chegou. A velhice o alcançou como alcança as pessoas honestas, mas a sua consciência trazia um peso descomunal, e uma sensação desconfortável lhe invadia a alma.

Não conseguia olhar nos olhos dos filhos e netos, sem pensar no quanto havia sido inescrupuloso. Sem pensar no tipo de sociedade que havia construído para legar aos seus afetos.

Dessa forma, antes de tomar qualquer atitude, questionemos a nós mesmos: E depois?

*   *   *

É melhor que resistamos por um momento e tenhamos paz interior, do que gozar um minuto e ter o resto da vida para se arrepender.

 

Redação do Momento Espírita
Em 11.01.2010.

 

   

 
  Anterior Retornar Para Mensagens

Próxima

 
 

Digite Aqui o Que Você Procura

 

SIGA O SAUDADE E ADEUS NO TWITTER

Siga o Saudade e Adeus no Twitter

 
 

 

 

A caixa de comentários do IntenseDebate só poderá ser visualizada corretamente se você estiver usando os navegadores Firefox Mozilla ou Google Chrome.

 

João Poeta - Poesias do João Poeta - 04/05/2010 - 23:46 h.

Minha cara amiga, Rosana. Precisamos pensar nas conseqüências das nossas palavras, sejam elas orais e/ou escritas. Uma palavra carregada de ódio pode desencadear uma séria de ocorrências desagradáveis e até mesmo desastrosa. Já pudemos conhecer notícias de violências no trânsito, vias de fato e até morte, devido as más colocações das palavras em momentos de descontrole emocional. E o que não dizer dos nossos atos? É necessário orar e vigiar, sempre, conforme nos ensinou o nosso mestre Jesus. A juventude de hoje goza de uma liberdade da qual as gerações passadas gostariam de ter, mas será que vale a pena si entregar aos prazeres fáceis da vida Material, para mais tarde cair em arrependimentos? Acho que não. Tudo na vida deve ser medido e pesado pela razão, para não sacrificar o coração.

Fraternal abraço.
João.


Cláudio - Zé Variedades - 04/05/2010 - 23:11 h.

Lindíssima mensagem! São 3 minutos e 42 segundos da mais pura verdade. Favoritei para compartilhar.


Edilene - Mensagens Diversificadas - 04/05/2010 - 23:11 h.

Ro!

Linda mensagem.

Parabéns amiga!

:)


Jackie Freitas - Fênix Mulheres - 05/05/2010 - 02:03 h.

Olá! Ouvi a mensagem. Muito orientadora.
Parabéns!
Jackie.


Fernandez - Ortiz - 05/05/2010 - 10:01 h.

Olá amiga Rosana! Realmente é uma pergunta que deveríamos nos fazer a cada ato que fazemos no dia a dia.
Gostei do texto.
Beijos,

Fernandez.


Vitor - Floricultura Multiflora Fernandópolis - 05/05/2010 - 13:13 h.

Deus deu o pior castigo ao homem, sua consciência, dela ninguém foge, nunca. O pior de nossos atos é quando percebemos que prejudicamos outro ser humano mesmo que involuntariamente.


Príncipe Encantado - Mensagem Para Nós Dois - 05/05/2010 - 15:59 h.

Pena que a maioria das pessoas não pensam nas conseqüências das atitudes que tomam, atropelam a si mesmo em busca do nada, pois nada somos e nada temos, tudo é passageiro em nossas vidas,tudo debaixo do sol é vaidade,mas, penso que essas pessoas já se acostumaram a conviver deste modo.
Abraços forte.


Luísa - Artes e Manhas - 05/05/2010 - 13:18 h.

Rosana,

Belo texto, amiga!
Quanta infelicidade seria evitada e quanta qualidade de vida alcançada, se nos questionássemos sobre as conseqüências! Mas o ser humano pensa pouco, seja pela imaturidade ou pelo desejo desenfreado de Ter.

Beijinhos.
Luísa.


Lilian Candello Salvadori - Blog da Vovó Lili - 07/05/2010 - 16:20 h.

Olá querida amiga Rosana,

Lindo esse texto e muito reflexivo.

Quanta verdade está contida no texto!

Essa é a melhor pergunta a se fazer diante de todas as situações que se nos apresentam. O difícil é fazer essa pergunta: E depois?

Não sei se você conhece o livro: "Em seus passos que faria Jesus". A história desse livro aconteceu numa localidade onde uma comunidade se dispôs a se questionar antes de cada atitude a pergunta: "o que faria Jesus nesta situação". Eu li o livro e me coloquei junto àquela comunidade e a me fazer a pergunta em toda e qualquer situação. Dei o livro a outra pessoa. Comprei o livro 5 vezes para dá-lo a amigas e antes, lia-o novamente. Esse livro mexeu comigo. Foi muito bom. A gente passa a ver as coisas de forma diferente e a pensar antes de tomar qualquer decisão, procurando fazer a coisa certa.

Parabéns querida pela postagem magnífica que nos presenteou.
Carinhoso e fraterno abraço,
Lilian.



Elaborado e Idealizado por Rosana Madjarof - Todos os Direitos Reservados - Política de Privacidade