CAMINHADA - AS DUAS FACES DE UMA VIDA NO JAPÃO - PORTAL ESPÍRITA E FILOSÓFICO SAUDADE E ADEUS
Saudade e Adeus - Tatiana Madjarof Bussamra - Página Inicial

 

 Saudade e Adeus

 

Caminhada - As Duas Faces de Uma Vida no Japão

A Verdadeira História do Meu Livro

Por Rose Nakamura

 

Como Foi Escrever o Meu Livro:

 Eu escrevi o livro Caminhada – duas faces de uma vida no Japão no período que me afastei das fábricas, com a crise econômica que atingiu o Japão e não era mais fácil conseguir emprego aqui.

Fiquei triste, pois vim para  trabalhar e logo voltar para o Brasil. Assim como dá primeira vez que trabalhei mais de dezessete horas por dia e consegui dinheiro para minha cirurgia e buscar meu filho  que estava no Brasil para que nossa pequena família ficasse unidas aqui.

Para uma pessoa que já esta acostumada a trabalhar aqui, e fiquei muito abalada de não existir, mas vagas na ocasião, mas depois pensei o quanto meu filhinho de 8 anos precisa de meu apoio na vida escolar.

As Dificuldades de Meu Filho:

O horário escolar é das 8 às 15 horas e os aluninhos voltam para casa cheios de tarefas para realizar que precisam ser acompanhados pelos pais. Precisei ficar em casa também para dar um apoio maior para meu marido que trabalha muitas horas por dias em trabalho pesado, voltando para casa com uma imensa canseira declarada em seus olhos.

Escrever para mim foi uma terapia, no inicio foi muito difícil trazer todas aquelas recordações, dos preconceitos e das dificuldades enfrentadas. Relembrar foi como estivesse sentindo tudo novamente, mas foi importante para eu colocar tudo no papel e poder alertar as futuras gerações que vierem para cá, para atentos procurar ser bem assessorados. É a minha história outros descendentes tiveram outras histórias, mas sorte, mas oportunidades ou talvez não.

             Porque Escrevi o Livro:

Eu preciso voltar logo para o meu país. O meu filhinho Shinji Nakamura é um vencedor, depois de passar por tantos preconceitos por ser estrangeiro, sofre calado, enfrentou tudo quieto e conseguiu o respeito, na escola e na academia onde prática Karatê. Com sua força de vontade conseguiu até medalha de ouro vencendo um campeonato.

Todos os dias acorda às 6 horas da manhã e com um sorriso no rosto caminha vinte minutos para chegar à escola, volta cheio de lições que não consigo mais acompanhar são kanjis e lições de matemática. Eu  fico  ao seu lado e procuro ajudar principalmente na matemática pois kanjis não sei Já tentei estudar muitas vezes mas escrevo e falo o básico. Mesmo ensinando a matemática sinto que às vezes atrapalho o processo de ensino, pois aqui existe uma outra maneira de montar as operações de matemática.

Não tenho condições para colocá-lo na escola brasileira, pois o preço é elevado e é longe de minha casa em outra cidade.

Em agosto teve férias de verão aqui no Japão. Próximo de voltar às aulas notei que o Shinji estava com um tique nervoso, arrancava os cabelinhos. Notei em seus lençóis no sofá de minha sala. E fiquei impressionada quis saber por que daquele ato e saímos para conversar depois de algum tempo ele falou do medo que tinha de enfrentar os estudos, das dificuldades do aprendizado. E vi o quanto o meu menino está sofrendo.

Na semana que iria voltar às aulas surgiu uma dor que até agora os médicos não conseguiram diagnosticar o que houve para impedir um esportista como meu filho de andar, para todos que me acompanham fiz diversas postagens sobre o assunto, penso, às vezes, até ser motivo psicológico. Uma forma que o corpo fez para gritar e pedir: Pare! Eu Não Vou para a escola. Meu filho passou por muitas dores passou a usar cadeiras de rodas e muletas. Ontem depois de pouco mais de um mês foi liberado para voltar aos esportes.

Aqui não tenho apoio de psicólogos e nem saberia conversar com um deles. Sofremos quietos para meu filho deve ser uma grande carga de emoções.

Então deixo claro aqui o meu objetivo com a venda de meu livro é abreviar meu tempo e volta logo para o Brasil. Lá tenho meu cantinho e um apartamento financiado pela caixa econômica que daqui 2 anos termino de pagar, porém se eu conseguir uma boa venda do meu livro, posso voltar antes.

O Japão é lindo, mas nada como o nosso país para educar nossos filhos conseguir acompanhá-lo em paz saber e entende o que está acontecendo com a pessoa mais preciosa para nós. Lá também tenho minha única irmã que agora está com sessenta anos e enfrentado problemas de saúde e eu sinto tanta saudades e preciso ajudá-la. Quero abreviar meu tempo aqui.

A Diagramação, Revisão de Texto e Capa:

Eu estou aqui no Japão há sete anos e afastada do nosso idioma. Não teria condições de escrever bem o idioma português, contratei serviços da Bookess, uma revisora de texto se encarregou de arrumar e corrigir os erros de português. Gostaria de um trabalho bem elaborado então contratei um diagramador e um capista, pois não conseguia acertar em fazer a capa. O meu sonho era que fosse uma das minhas fotos, mas não foi possível. O nome dos profissionais estão escritos na contra capa de meu livro.

A Bookess tem seus serviços gratuitos, mas eu contratei os serviços, pois precisava de ajuda. Então para mim esse livro ficou caro devido os serviços contratados, que fizeram com muita eficiência.  Porém mesmo que o custo foi alto para mim eu resolvi hoje pela manhã entrar em minha conta na Bookess e tive acesso a minha conta e verifiquei se havia algum pedido como ninguém havia feito compras alterei o valor

Para ser mais acessível para todos.

Peço que COMPREM e que me ajudem a DIVULGAR o livro. Quero voltar para o Brasil!

CAMINHADA - AS DUAS FACES DE UMA VIDA NO JAPÃO

 

   

 
  Anterior Retornar Para Depoimentos

Próxima

 
 

SIGA O SAUDADE E ADEUS NO TWITTER

Siga o Saudade e Adeus no Twitter

 
 

 

 

 





Elaborado e Idealizado por Rosana Madjarof - Todos os Direitos Reservados - Política de Privacidade